Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

NEVE ESCURA: O FENÓMENO QUE ESTÁ A ACELERAR O DEGELO DAS CALOTES POLARES

Mäyjo, 27.10.15

Neve escura: o fenómeno que está a acelerar o degelo das calotes polares

O fenómeno da “neve escura” está a ser observado desde os Himalaias ao Árctico, à medida que cada vez mais quantidade de pó, proveniente de terrenos mais secos, fuligem de incêndios e partículas ultrafinas de “carbono negro” da actividade industrial, viaja milhares de quilómetros através do vento e se deposita nas grandes calotes de gelo, tornando a neve escura.

O resultado é uma diminuição do albedo do gelo, ou seja, a sua capacidade para reflectir os raios solares. Como tal, uma neve mais escura absorve mais raios solares e derrete mais depressa, o que contribui para o aumento do nível da água do mar.

Um estudo de investigadores franceses, publicado na revista científica Nature Geoscience, revela que o manto de gelo superficial do Árctico – que perdeu em média 12,9 mil milhões de toneladas de gelo por ano entre 1992 e 2010 devido ao aquecimento global – possa estar a perder 27 mil milhões de toneladas adicionais por ano devido ao pó, o que deverá acrescentar vários centímetros ao nível da água dos oceanos até 2100.

Outras investigações revelam que o albedo do Árctico pode estar a diminuir muito mais rapidamente do que o estimado há alguns anos. Um estudo do início deste ano, publicado na revista Proceedings of the National Acedemy of Sciences, indica que o declínio do albedo do Árctico, entre 1979 e 2011, constituiu 25% do efeito de aquecimento através do dióxido de carbono durante o mesmo período de tempo, refere o Guardian.

De acordo com o glaciologista Jason Box, que coordena o projecto Dark Snow para medir o efeito do pó e outros efeitos escurecedores no manto da Gronelândia, a reflectividade do manto de gelo do Árctico tem estado perto de valores recordes mínimos desde o início do ano. Mesmo uma pequena diminuição na reflectividade pode aumentar para o dobro a média anual de perda de gelo. “Uma reflectividade baixa aquece a neve mais do que o normal. Um manto de neve escura vai assim derreter mais cedo e mais intensivamente”, explica o cientista.